Sobre o Mel da Tilinha

Estamos a instalar um apiário moderno na Courela do Zambujeiro, de que somos proprietários. Esta pequena propriedade agrícola que está nas mãos da nossa família há quatro gerações situa-se na zona da serra de Monfurado, a qual constitui um valioso património local e nacional. O sítio do Monfurado é um contexto de harmonia entre o Homem e a Natureza com ribeiras que fluem entre corredores de vegetação bem conservados, rasgando as manchas do montado e onde habitam muitas espécies raras num óptimo microclima de flora melífera com elevado interesse. Na Courela do Zambujeiro para além do sobreiral e do olival cultivamos algumas árvores de fruto e uma pequena horta biológica.

Como sabemos, a apicultura sempre constituiu um meio de complemento de subsistência das famílias alentejanas nos meios rurais. Tratava-se sobretudo de uma apicultura de subsistência, onde predominava a utilização do mel como complemento alimentar para a família, raramente era utilizada como actividade económica. Este tipo de apicultura não tinha praticamente custos directos. Como colmeias eram utilizados os cortiços, matéria-prima abundante na zona e que eram aprovisionados por altura das tiradas de cortiça pelos próprios apicultores ou a troco de um ou dois “quilos” de mel; tratamentos não se realizavam; os meios utilizados eram rudimentares e recorria-se ao trabalho familiar em horário pós-laboral. Obtinha-se assim um produto alimentar muito rico sem custos no orçamento familiar.

A nossa família tem uma ampla história na apicultura, ao longo de todas as gerações de que há memória existiu actividade apícola. Até à geração dos nossos pais a actividade teve sempre as mesmas características de subsistência, como atrás referimos, só com cortiços e praticamente sem meios. A apicultura é uma das nossas ocupações dos temos livres e conta com o apoio do trabalho familiar, essencialmente dos sobrinhos que se interessam pelas abelhas e que serão a garantia da apicultura na família. No futuro, com a expansão da actividade deverá vir a constituir-se como um “part-time” importante na nossa vida profissional.

Por um tio paterno foram-nos transmitidos alguns cortiços. Estamos a melhorar as condições de produção, adquirindo as primeiras caixas para transferir os cortiços, povoar outras caixas com novos enxames, adquirir utensílios e/ou equipamentos de apicultura e algum do equipamento necessário para a extracção de mel. Investimos para tornar esta actividade economicamente rentável, aumentar quantitativa e qualitativamente a produção, melhorar os métodos de extracção, armazenamento e embalamento, para que também possa reunir melhores condições de comercialização.

Em termos de evolução prevemos passar de alguns cortiços para 75 colmeias.